SITE DA HISTÓRIA ISLÂMICA

 

or_bar.gif (1182 bytes)

 

ATUALIDADES

or_bar.gif (1182 bytes)

 

MITOS BÍBLICOS!

A Perspectiva de um palestino cristão.

        Musa J.Shihadeh

"Ponha, apenas, os pretendidos centros bíblicos no Pacto que Deus fez com Abraão, de acordo com o que Deus prometeu dar para sua descendência, a terra entre o Nilo, no Egito, e o Eufrates, no Iraque." (Gênesis 15:18)

O sionismo interpreta isto como significando a região que deveria ser dada exclusivamente aos judeus, muito embora em Gênesis 21:13, Deus indique  Ismael como sua descendência!

Por outro lado, ninguém pode conceber a enormidade da tragédia humana se todo o território entre os dois rios fosse expropriado para uso exclusivo de Israel!.

Se assim fosse, deveria incluir Egito, Síria, Líbano, Palestina, Jordânia, Arábia Saudita, os estados do golfo pérsico e parte do Iraque! Estamos falando de mais de cem milhões de pessoas que teriam que tornar-se novos refugiados para satisfazer o Pacto! Onde esses novos refugiados seriam instalados?

Como 4.5 milhões de judeus israelenses irão povoar esta imensa área?

Deus também disse a Abraão que sua semente excederia o número de grãos de areia das praias ou das estrelas nos céus (Gênesis 15:5). Existe comparação entre 15 milhões de judeus no mundo com trilhões e trilhões de estrelas ou grãos de areia? Isto desafia a lógica e o bom senso. Contudo, o sionismo foi capaz de convencer uma grande maioria de cristãos deste mito.

Será que existe uma outra interpretação para o Pacto com Deus? Honestamente, acho que as impossibilidades anteriores tornam imperativo buscar-se uma interpretação adequada da Bíblia. Primeiro, e principalmente, não pode haver exclusividade judaica na interpretação do Pacto, uma vez que Deus confirmou que Ismael era a semente de Abraão. Segundo, a promessa de Deus foi sob a condição de os judeus aceitarem seus mandamentos, como em Salmos 103:18, onde está dito claramente que a Promessa foi um acordo de duas mãos!

Além do mais, conforme Gálatas 3:27-29, o legado do Pacto foi transferido para a igreja cristã, após a primeira vinda do Cristo, onde claramente é dito que se acreditarmos no Cristo, então ele será a semente de Abraão e seu herdeiro, de acordo com a promessa!!

Na verdade, de acordo com Éfesos 2:12, os judeus foram excluídos da Promessa. Este versículo afirma claramente que aqueles que não acreditam no Cristo estão fora do Pacto.

Muitos exegetas da igreja também acreditam que o retorno ao Egito e Babilônia representa o cumprimento da promessa duas vezes. Obviamente, é por esta razão que Deus proclama em Jeremias 31:31, que Ele fará um novo Pacto, uma vez que o antigo já foi cumprido.

Mesmo que os palestinos fossem considerados estrangeiros em sua própria terra,conforme proposto por Israel, a violação dos direitos humanos básicos contra os palestinos não só é uma flagrante violação do Direito Internacional, mas da própria Bíblia também.

Em Levítico 19:34, está dito que eles têm que amar os estrangeiros que vivem entre eles como se fossem seus. A expropriação ilegal das terras e lares palestinos, a expulsão da população nativa, a morte de civis inocentes não podem ser consideradas como adesão aos Dez Mandamentos ou como estando na conformidade dos ensinamentos da Bíblia.

Se percebermos que muitos cristãos palestinos de hoje se originaram de judeus que se converteram ao cristianismo durante a missão do Cristo na Palestina, teríamos uma conclusão bizarra e estranha das alegações bíblicas. Aqueles que aceitaram o Cristo estão sendo "punidos" por serem oriundos da Palestina, enquanto que aqueles que rejeitaram o Cristo e permaneceram na fé judaica estão sendo "premiados" com a concessão da Palestina para eles. Será que isto está na conformidade da Justiça Divina? Duvido.

Extraído do "Free Arab Voice", 15/11/99

 



1