or_bar.gif (1182 bytes)

ATUALIDADES

or_bar.gif (1182 bytes)

 

MOVIMENTO INTERNACIONAL ANTI-APARTHEID CONTRA ISRAEL

Durban, South Africa, 31/08/01 (Shirabe) - Hoje está nascendo um novo movimento. Participamos do ponta-pé inicial do Movimento Internacional Anti-Apartheid contra Israel, iniciado pelos sul-africanos que venceram a luta contra o apartheid em seu próprio país.

Este começo foi logo após uma demonstração do povo, onde dezenas de milhares de manifestantes ocuparam as ruas de Durban. Organizado pela SANGOCO (ONG sul-africana), PSC (Comitê de Solidariedade à Palestina), Fórum Social de Durban e outros grupos, a manifestação contou com a presença de delegados da conferência e de milhares de sul-africanos - ativistas, sindicalistas, estudantes - que chegavam de ônibus e trens de todas as partes do país.

Os que vieram das mais longínquas províncias eram, em sua maioria, sem-terra que, numa notável semelhança com a situação palestina, foram expulsos de suas terras e submetidos à consequente pobreza.  As pessoas do movimento dos sem-terra vieram exigir seu direito à terra e protestar contra a globalização e privativação, causas principais do novo apartheid econômico na África do Sul pós 1994. Com a chegada deles, foi realizada a Assembléia Internacional dos Sem-Terra. Sua luta foi apoiada por mensagens de solidariedade de pessoas em situação semelhante, como os dalits (os conhecidos intocáveis no sistema de casta da Índia), Rigoberta Menchu, da Guatemala, e os palestinos Ziad Abbas, co-diretor do Ibdaa, e Manar Faraj, um jovem ativista de 15 anos de idade, do campo de Dheisheh.

Nos dois dias de demonstração, defensores da causa palestina e grupos sionistas se confrontaram verbalmente no local da conferência. Um pequeno grupo de sionistas colocou uma mesa (sem  permissão, quebrando as normas da conferência) e distribuiu filipetas com os dizeres "os árabes estão sequestrando a Conferência Mundial Contra o Racismo", "A conferência não é uma conferência sobre o racismo, é uma conferência racista", etc. Logo surgiu uma manifestação espontânea dos defensores da causa palestina em frente à mesa, liderada por sul-africanos e com a participação de árabes, dalits, japoneses, indianos, europeus, senegaleses e muitos outros, segurando faixas, posters e bandeiras palestinas. A polícia formou uma linha para separar os dois grupos. Os sionistas, principalmente homens brancos vestidos de negro, continuavam cantando o mesmo verso "tudo o que dizemos é dar uma oportunidade para a paz", da canção de John Lennon. Eles também tentaram dar flores aos defensores dos palestinos, que rejeitavam com o refrão "sem justiça, sem paz". Alguns meios de comunicação local registraram o incidente, inclusive a canção e as flores, mas não conseguiram descrever o contexto - uma presença que se destacava, em meio à atmosfera calorosa e de apoio desta conferência. Ninguém se juntou a eles, em completo contraste com o lado palestino.

A manifestação de hoje, com a presença estimada de 30.000 a 50.000 pessoas e, talvez, a maior desde 1994, foi vibrante e musical. Os sul-africanos, antigos lutadores e peritos em organização, interrompiam o canto e a marcha, fazendo 'toi toi (canto, dança e entoações em círculo)', enquanto multidões, líderes, trabalhadores, trabalhavam juntos. Nas milhares de faixas coloridas lia-se "Israel é um estado apartheid", "Sionismo é Racismo", "Terra para os sem-terra", "Sharon é um criminoso de guerra", etc. Para os sul-africanos, a semelhança entre a sua situação e a dos palestinos não exige explicação. Foram feitos vários discursos na concentração, em solidariedade aos palestinos; tendo derrotado seu próprio apartheid com a ajuda da comunidade internacional, agora era responsabilidade deles dar as mãos aos palestinos para lutar contra o apartheid israelense. Após o emocionante e poderoso discurso de Manar, de Dheisheh, sobre sua determinação de continuar a luta, Naim Jinah, do PSC, leu a seguinte declaração (*), e, com o aplauso e alegria da multidão, anunciou o nascimento do movimento.

Shirabe
shirabey@yahoo.com

(*) Clique aqui para ler a declaração
http://www.iap.org/declaration.htm

back1.gif (279 bytes)

1