or_bar.gif (1182 bytes)

ATUALIDADES

or_bar.gif (1182 bytes)

 

A LÓGICA SIONISTA

Por Omowale Malcolm X Shabazz

Os exércitos sionistas, que agora ocupam a Palestina, dizem que seus antigos profetas judeus profetizaram que "nos últimos dias deste mundo" seu Deus lhes enviaria um "messias" que os levaria à terra prometida e estabeleceria seu governo "divino" nesta recém conquistada terra,   e que este governo "divino" os credenciaria a "governar todas as outras nações com uma vara de ferro".

Se os sionistas israelenses acreditam que a atual ocupação da Palestina arábica é o cumprimento daquelas profecias feitas por seus profetas judeus, então eles também acreditam religiosamente que Israel deve cumprir sua missão "divina" de governar todas as nações com uma vara de ferro, o que apenas quer dizer uma forma diferente de governo de ferro, mais firmemente entrincheirado do que os antigos poderes coloniais europeus.

Estes sionistas israelenses acreditam religiosamente que seu deus judeu os escolheu para substituir o antiquado colonialismo europeu por uma nova forma de colonialismo, tão bem disfarçado que possibilitará iludir as massas africanas, submetendo-as de boa vontade à sua autoridade e orientação "divinas", sem que percebam que ainda continuam colonizadas.

CAMUFLAGEM

Os sionistas israelenses estão convencidos de que conseguiram camuflar com sucesso sua nova forma de colonialismo. Seu colonialismo parece ser mais "benevolente", mais "filantrópico", um sistema com o qual eles simplesmente governam fazendo com que suas vítimas potenciais aceitem suas ofertas amáveis de "ajuda" econômica e outros presentes tentadores, que eles balançam diante das nações africanas recém-independentes, cujas economias estão passando por  grandes dificuldades. Durante o século XIX, quando as massas daqui da África eram em sua grande maioria analfabetas, era fácil para os imperialistas europeus governarem pela "força e medo", mas nos dias atuais, o conhecimento está despertando os africanos e é impossível controlá-las com os métodos antiquados do século XIX.

Os imperialistas, portanto, foram obrigados a descobrir novos métodos. Uma vez que não podem mais forçar ou ameaçar as massas, eles devem inventar métodos modernos que possibilitem manobrar os africanos, dispostos a se submeterem.

A arma do neo-imperialismo no moderno século XX é o dolarismo. Os sionistas dominaram a ciência do dolarismo: a capacidade de chegar como amigo e benfeitor, dar presentes e todas as formas de ajuda econômica e oferecer assistência técnica. Assim, o poder e influência dos sionistas de Israel em muitas das recém independentes nações africanas tornaram o poder colonialista europeu ainda mais inabalável ... e este novo tipo de colonialismo sionista difere somente na forma e métodos, mas nunca nas razões e objetivos.

No final do século XIX, os imperialistas europeus sabiamente previram que o despertar das massas africanas não iria permitir a submissão aos seus antigos métodos de governo, através da força e do medo, e tiveram que criar  uma "nova arma" e encontrar uma nova base para esta arma.

DOLARISMO

A arma número 1 do imperialismo do século XX é o Dolarismo-sionista e uma de suas bases mais importantes é o estado de Israel sionista. Os imperialistas europeus, sempre calculistas, colocaram Israel onde ele poderia dividir geograficamente o mundo árabe, infiltrar e lançar a semente da dissenção entre os líderes africanos e também dividir africanos e asiáticos.

A ocupação da Palestina arábica forçou o mundo árabe a gastar preciosos dólares em armamentos, o que impediu que as recém independentes nações árabes se concentrassem no desenvolvimento da economia de seus países e na melhoria do padrão de vida de sua população.

E a contínua queda na qualidade de vida do mundo árabe foi habilidosamente utilizada pela propaganda sionista para fazer parecer aos africanos que os líderes árabes não estavam qualificados, intelectual ou tecnicamente, para melhorar o padrão de vida de sua população ..., "induzindo", indiretamente, os africanos a se afastarem dos árabes e se a voltarem para os israelenses, em busca de assistência técnica e educacional.

"Cortam a asa do pássaro e o condenam a não voar mais rápido do que eles."

Os imperialistas sempre se mostram  bons mas só porque estão competindo com as asas dos países recém independentes, cujas economias foram, na verdade, cortadas pela conspiração do capitalismo sionista. Eles não suportam uma competição justa, por isso eles tiveram medo do apelo de Gamal Abdul Nasser pela unidade árabo-africana.

MESSIAS?

Se a alegação "religiosa" dos sionistas for verdadeira, de que eles seriam levados à terra prometida por seu Messias, e a atual ocupação da Palestina arábica é o cumprimento desta profecia: onde está o messias que seus profetas disseram que os levaria até lá? Foi Ralph Bunche quem "negociou" a posse dos sionistas da Palestina ocupada! Então, Ralph Bunche é o messias do sionismo? Se Ralph Bunche não for o messias e se seu messias ainda não chegou, então o que eles estão fazendo na Palestina antes da chegada dele?

Os sionistas tem o direito legal ou moral de invadir a Palestina arábica, expulsar seus cidadãos árabes de suas casas e apoderar-se de todos os bens dos árabes para si, apenas baseados na reivindicação "religiosa" de seus ancestrais que ali viveram há 3.000 anos atrás? Há apenas 1.000 anos atrás, os mouros viveram na Espanha. Isto daria  aos mouros de hoje o direito legal e moral de invadir a Península Ibérica, expulsar os cidadãos espanhóis e assentá-los em nações marroquinas ... que fazia parte da Espanha, como os sionistas europeus fizeram como nossos irmãos e irmãs da Palestina?

Em resumo, o argumento sionista para justificar a atual ocupação da Palestina arábica não tem base legal ou intelectual na história e nem em sua própria religião. Onde está o Messias deles?

(Editado e re-impresso no The Egyptian Gazette - 17/09/1964)

http://www.egroups.com/messages/inin

 

back1.gif (279 bytes)

 

1